segunda-feira, 21 de julho de 2008

Dissecação de um cinzeiro




Objecto singelo o cinzeiro. Concebido exclusivamente para a morte. Destruir cigarros e cigarrilhas, esses também utensílios de morte lenta.

É no cinzeiro que se amachuca o cigarro moribundo, que se sufoca a ponta incandescente, onde se extingue a sua luz avermelhada.

Quando limpo, um objecto decorativo simples ou complexo, exposto em lugares estratégicos com o intuito de embelezar a vista. Como? Como é que tal objecto de tortura como o cinzeiro pode alguma vez ser agradável à vista? Por muito limpo que esteja, nunca deixará de ser a campa da chama e do cigarro.

Quando sujo, cenário grotesco, sujo, imundo. Vala comum para cadáveres de nicotina. Anarquia de cinzas, defuntos queimados e maltratados, amarrotados e violentados cigarros que outrora brilhavam e proporcionaram momentos de prazer. Acalmaram a ressaca de nicotina e mataram o vício.

Recipiente que serve de repouso para quando os dedos se cansam de passear o cigarro. Nunca nega o apoio… descansam brasas sobre ele, libertando fumo em danças ascendentes rumo aos céus.

Irreconhecível valor que se lhe dá. Enquanto sobre ele a chama remói, corrói e destrói, permanece um cinzeiro, um simples cinzeiro.

Olhando bem para este jazigo de momentos de vício, reparo que até a um simples objecto banal do nosso dia-a-dia, devo ter em conta que a sua função não é simples ou fácil, ou agradável, porém, necessária. Deve-se respeito até ao objecto mais fútil porque existe… é.

(texto experimental sobre um assunto supérfluo e banal com intuito de, sem dizer nada , dizer alguma coisa)

By Moon_T







6 comentários:

By myself disse...

Conseguiste dizer muito sem nada para dizer, e obrigar-me a olhar várias vezes para o cinzeiro onde jazem já alguns defuntos. Acho que vou já dignificar a sua imagem...só não sei por quanto tempo.
Boa semana
Bjs

By myself disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lagrimatua disse...

Bom... muito bom mesmo.

su disse...

Os meus cinzeiros, que eram de colecção, mas mesmo assim usados, deixaram de o ser...há muito que não abrigam cinzas mas pó...objectos de passagens, de Marrocos, de Londres, de outros cantos e lugares...
mas das cinzas renasce o mais nobre animal, as mais belas palavras quando da alma se eleva o torpor...

E neste belo texto em que dizes que não dizes nada dizes tudo, esvazias a alma e deves sentir-te muito melhor...de certeza.

beijo em fio.

Azul disse...

Creio que disseste muito mais do que aquilo que possas pensar.

A mim... fez-me pensar, mais uma vez, que tenho de perder o vicio de sujar cinzeiros :)

beijo
Azul

Som do Silêncio disse...

Que mais poderei dizer?
Faço minhas as palavras da minha amiga Azul :)

Beijo terno

Also...

Disclaimer: All images, unless otherwise noted, were taken from the Internet and are assumed to be in the public domain.In the event that there is still a problem or error with copyrighted material, the break of the copyright is unintentional and noncommercial and the material will be removed immediately upon presented proof.