quinta-feira, 3 de julho de 2008

Ao jantar...



Sentados à mesa, composta de uma vasta panóplia de cores e sabores, a refeição estava a meio e a garrafa molhada, suada do gelo que a cobria e pingava, observava a linguagem silenciosa que trocavam, somente com o desejo como som de fundo.

Largavam-se sorrisos tímidos e piadas sem graça na tentativa ridícula de disfarçar a óbvia ânsia pelo toque. Hábeis jogos camuflados de sedução…

Deu-se uma pausa na fútil conversa que ninguém tomava atenção por estar demasiado envolvido na fantasia que os envolvia e após um curto silencio, uma subtil mas desesperante pergunta foi exposta:

-“Em que pensas?” – Perguntou ele.

Tudo parou naquele momento de expectativa...

Devorava ansiosamente a imagem feminina que se sentava diante dele.

Alimentava-se mais daquela deslumbrante vista que do próprio banquete exposto na mesa, meio consumido ainda.

Ela, em resposta e sem ter sequer tempo para ponderar em palavras que traduzissem o que estava a pensar;

Cabisbaixa, desviou o olhar do copo meio vazio que fixava e inclinou ligeiramente a cabeça para a esquerda, deixando deslizar os cabelos descobrindo-lhe a face por completo e olhou para a sua direita, onde ele se encontrava.

Seus olhos denunciavam o farto consumo daquele vinho geladamente pecaminoso. O olhar de um misto de antagónica inocência e de um total desejo carnal por aquele ser diante dela.

Muito vagarosamente, como que em câmara lenta, o seu braço elevou-se da mesa onde repousava. Os olhos dele sem abandonar os olhares que se entrelaçavam, pelo canto do olho, tomavam atenção aquele lento gesto que, esperava, lhe responderiam à pergunta.

À medida que o braço se elevava e curvava, um dedo sobressaía dos outros, ficando o punho semicerrado.

Enquanto a mão se aproximava da boca, os lábios descolavam-se permitindo que os dentes espreitassem o dedo a aproximar-se.

A língua molhou os lábios carnudos como uma serpente.

Com os olhos fixos nos dele, ela mordeu ao de leve o dedo e pestanejou demoradamente.

As pálpebras fecharam-se e ao subirem revelaram o branco do olho até que a pupila se desvendou, os olhos pareciam revoltos de prazer.

Os dentes libertaram a ponta do dedo que depois se passeou pela textura polposa daqueles lábios libidinosos.

Ele ao ver o pormenor daquele movimento, notando a fálica ponta do dedo tão húmida que reflectia a luz emanada pelo candeeiro antigo que pairava sobre eles, arregalou os olhos e esboçou um sorriso quase demoníaco, ergueu o braço em direcção ao garçon e quando este os abordou, só disse:

“-A conta por favor!”



By Moon_T




11 comentários:

zeroz disse...

Também estavas lá?..
Lembro-me bem de quando isso me aconteceu...

Detalhes disse...

Uma descrição fantástica de um jantar, e onde ele nos pode levar!

Bjs

Moon_T disse...

zeroz:

sim, estava lá. fotografei mentalmente aquela imagem e todos os dias a consumo mais um pouco. tornou-se viciante, escraviza-me diariamente. tentei descrever akeles 3 ou 4 segundos para aqui e partilha-los mas nao lhes consigi fazer juz. em parte, fico contente, egoista como sou, o momento no seu todo é só meu. :)


detalhes:

é apenas a minha forma limitada de descrever um "detalhe" daquele jantar. para onde nos leva... isso já é mesmo outro detalhe.tão importante e valioso como tantos outros.

obrigado pela visita
e bem vindos

Pax disse...

Eu continuo a achar que a sedução é a parte mais fantástica de qualquer conquista.
O melhor preliminar :)
E é minha impressão ou a sedução entrou em desuso?

Moon_T disse...

pax,

concordo em pleno em cm a seduçao é realmente fantastica.

agora que está em desuso? penso que não.
A meu ver e só posso falar por mim:
o que vejo sao novas maneiras de seduçao adoptadas por alguem que nao tem paciencia para mais, facto que só é levado avante quando aceite por ambas as partes.
E convenhamos tambem que ha alturas para tudo.

A seduçao é um jogo que só se pode jogar a dois, mas é um jogo tao bom de se jogar que seja de que forma for nunca ha-de deixar de ser jogado, porque de facto "é tão bom!..."


obrigado

su disse...

É verdade...é um autêntico jogo de sedução deitado sobre a mesa através das palavras...gesto de mestre!

Corvo Negro disse...

Ora, cá vai o meu grito baixinho.
Gosto de um blog que diz "foda-se".
Da narrativa descritiva,gostei do vocábulo empregue. Elegante, emotivo, sensual e temperamental.

Por fim, agradeço a visita prestada, a qual me proporcionou aqui vir.
Obrigado.
Abraço

Asile disse...

lolololol.....Espectacular...

Vanda Paz disse...

envolvente...muito envolvente....


beijos

Afrodite disse...

Muito bom. Venho aqui retribuir a visita e o comentário no meu espacinho.

É muito envolvente o texto e consegue facilmente transportar-me ao cenário :).

Aqui voltarei se me for permitido ;).

Abreijos

Moon_T disse...

su:
sem duvida!:)
um gesto daqueles que valem mais que mil palavras. o que se nota visto o tamanho do texto para descrever 5 ou 6 segundos (pronto ok... uns looongos e saborosos 5 segundos)


corvo negro:
bem vindo a este meu espaço e nao tem nada que agradecer, fui lá li e gostei. espero que o mesmo aconteca aqui.


asile:
ri-te ri-te... :)

vanda paz:
tentei, mas nao chega aos calcanhares da realidade.


afrodite:
fica o convite entao. :)




obrigado a todos e bem vindos

Also...

Disclaimer: All images, unless otherwise noted, were taken from the Internet and are assumed to be in the public domain.In the event that there is still a problem or error with copyrighted material, the break of the copyright is unintentional and noncommercial and the material will be removed immediately upon presented proof.