quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

nao me reconheco...


é á noite que saio

é de noite que vivo

á noite passeio sem destino pelas ruas inundadas de rostos vazios

o meu cinzeiro é a calçada

onde apago as paginas rasgadas do que foi

outrora

uma vida.

perco-me nas encruzilhadas

nos becos escuros

á procura de nada

simplesmente nada.


de maos nos bolsos e de cabeça baixa

inclino o corpo contra o vento

espreito pelo canto do olho e reparo no reflexo disforme das vitrinas

nem me reconheço

nao me reconheço...



Moon_T



4 comentários:

Anônimo disse...

Brutal !!!!
Amei. :)

B

Sandra disse...

:)

pára e olha te e vais ver o q afinal sempre te reconheces ;))

xinhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuus pa tu da lua

Virgínia Lídia disse...

perdida nos becos, no escuro das noites, entre a chuva que caí,
espelha o alcatrão das ruas.. onde me olho sem me reconhecer....
passos perdidos vagueando, ao fundo da rua.... volto a olhar e sou "ninguém".... quem sou???

(gostei imenso) beijinhos da velhota
P.S. o prometido é devido

Battle disse...

Muito Fixe hermano muiti fixe mesmo. mas hás-de reconhecer-te! abraço

Also...

Disclaimer: All images, unless otherwise noted, were taken from the Internet and are assumed to be in the public domain.In the event that there is still a problem or error with copyrighted material, the break of the copyright is unintentional and noncommercial and the material will be removed immediately upon presented proof.