quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Ouve-me


Ouve-me

Revolta-te

Explode

É o que voz na minha cabeça me diz.

No silencio da madrugada

Estas vozes assombram-me de uma forma inexplicável

Todas as madrugadas é o mesmo,

Sinto todas as madrugadas como as ultimas.

Todas as madrugadas é o mesmo:

Ouve-me

Revolta-te

Explode.

Começam a dominar-me

Pois cada vez mais me canso de resistir

E cada vez mais lhes dou ouvidos.

Passo os dias a pensar como será o meu acordar?

E isso revolta-me

Revolta-me profundamente.

Penso em como só os loucos ouvem essas vozes.

E eu não sou louco.

Todas as noites eu passo em branco

Com medo que estas vozes roucas me atormentem de manha

E, como sempre ao nascer do sol lá estão elas;

Roucas, a sussurrar:

Ouve-me

Revolta-te

Explode

E eu tapo os ouvidos e finjo não as ouço…

Até ao dia que as vou ouvir

E me vou revoltar

E vou explodir

E só nessa altura saberei ao certo

O que será que me estão a dizer…

Até esse dia

As minhas noites serão sempre aquele silêncio ensurdecedor

À espera de ouvir: Ouve-me. Revolta-te. Explode.

by: moon_t

2 comentários:

Sandra disse...

:))

"ouvi te"...

;))

bjssssssss

Virgínia Lídia disse...

oiço-te, antes sinto-te como sombra que vagueia na madrugada...
sinto-te sombra que sorri, que abraça...na busca constante do aconchego do doce calor de alguém para não ficar só...
Beijinhos da velhota

Also...

Disclaimer: All images, unless otherwise noted, were taken from the Internet and are assumed to be in the public domain.In the event that there is still a problem or error with copyrighted material, the break of the copyright is unintentional and noncommercial and the material will be removed immediately upon presented proof.